Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


sábado, 14 de dezembro de 2013

DAVI, O MAIOR REI DA HISTÓRIA DE ISRAEL - Por André Rodrigues



Depois da inevitável queda de Saul, Davi é escolhido por Deus para assumir o reinado na nação judaica. Inicialmente, sua escolha e também sua unção ocorrera de modo oculto[1], para não haver represálias por parte de Saul. “A unção não podia ter sido realizada abertamente, pois nesse caso Saul teria matado Davi” (HALLEY, 2001, p. 181). Logo após Samuel ungir Davi, conforme o mandado do Senhor, as Escrituras retratam que “desde aquele dia em diante, o Espírito do Senhor se apoderou de Davi” (I Sm 16.13). Mulder (2009, vol. 2, p. 208) ressalta que isso foi possível, unicamente, com a finalidade de “dotá-lo com sabedoria e poder”, e para que servisse de “orientação para o cumprimento dos propósitos de Deus para a sua vida”. Num pequeno trecho do livro de Atos, Lucas detalha as palavras de Paulo no discurso aos judeus, na sinagoga de Antioquia da Pisídia[2], dizendo:

O Deus deste povo de Israel escolheu a nossos pais e exaltou o povo, sendo eles estrangeiros na terra do Egito; e com braço poderoso o tirou dela; e suportou os seus costumes no deserto por espaço de quase quarenta anos. E, destruindo a sete nações na terra de Canaã, deu-lhes por sorte a terra deles. E, depois disto, por quase quatrocentos anos, lhes deu juízes, até ao profeta Samuel. E, depois, pediram um rei, e Deus lhes deu, por quarenta anos, a Saul, filho de Quis, varão da tribo de Benjamim. E, quando este foi retirado, lhes levantou como rei a Davi, ao qual também deu testemunho e disse: Achei a Davi, filho de Jessé[3], varão conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade (At 13.17-22, ARC, grifo meu).



Dessa forma, ficamos sabendo que Davi era varão segundo o coração de Deus. Soares declara que “isso significa ser ele um homem que se conduzia de acordo com a vontade de Deus, seus desejos e propósitos eram afinados com os de Deus”. O autor diz ainda que “a história de Davi ocupa mais espaço do que qualquer outro personagem do Antigo Testamento”. Sem exagero, a figura grandiosa do rei Davi é particular em Israel. O referido autor conclui: “ele reinou sete anos em Judá e 33 anos em todo o Israel, num total de quarenta anos[4]. Começou a reinar aos 30 anos de idade (2Sm 54.5). Fundou uma dinastia que durou 425 anos. Poucas famílias na história conseguiram tal proeza” (2008, p. 122).
Segundo Champlin:

Davi era espiritualmente superior a Saul (I Sam. 13:14; I Reis 11:4; 14:8). O governo[5] de Davi foi muito bem-sucedido, dos ângulos, pessoal, militar e religioso, de tal modo que Davi chegou a ser considerado o monarca ideal[6] (1995, vol. V, p. 619).    

Esse diferencial que havia em Davi fez com que Deus estabelecesse com ele um eterno pacto, do qual descenderia Jesus, o Messias. “A graciosa aliança de Deus com Davi prometia que o direito de governar permaneceria para sempre[7] com a dinastia de Davi” (RYRIE, 2004, p. 296).

A primeira promessa feita a Davi é uma fundação de uma dinastia davídica: “O SENHOR te fará saber que o SENHOR te fará casa” (v 11), depois de sua morte ela continuaria[8]: “estabelecerei o seu reino” (v. 12). A palavra profética revela a relação pai-filho e a continuidade da casa davídica, que não será quebrada como foi a casa de Saul, ainda que esse filho venha pecar, será castigado, mas “benignidade não se apartará dele” (v.v 14.15[9])  (SOARES, 2008, p. 124).

Dentro dessa linha, outro autor fortalece a argumentação:

O pacto davídico (Sl 132:11ss)[10], sem dúvida, foi um fator essencial na importância dele, visto que tornava-se clara a existência de um propósito divino, operante através da linhagem de Davi. Esse propósito era surgimento do Messias, Jesus Cristo. Davi tornou-se uma espécie de rei-sacerdote[11], tendo restaurado, até certo ponto, o ideal mosaico (II Sam. 6:13 ss) (CHAMPLIN, 1995, Vol.V, p. 619).

Portanto, percebe-se quão importante foi Davi na história. Respeitado como o maior de todos os reis[12] de Israel. Um dos principais tipos de Jesus e detentor de uma soberania familiar proposta por Deus para a elevação do Messias, que seria considerado, por sua vez, o Eterno descendente de Davi.




[1] Cf. ISm 16.1-13.

[2] Uma das 16 cidades fundadas por Seleuco Nicanor e denominada de Antioquia (pertencente a Antíoco) em honra a seu pai. Situava-se na Frígia, quase nos limites da Pisídia. Havia uma colônia de judeus nesta cidade (At 13.14), (BOYER, 2006, p. 67).

[3] Um homem Efrateu, de Belém de Judá (Cf. I Sm 17.12). Quanto a sua mãe, Soares diz que parece que se chamava Naás, mãe de Zeruia e Abigail, irmãs de Davi (2 Sm 17.25) (2008, p. 122).

[4] Depois de toda esta façanha, morreu aos setenta anos de idade (HALLEY, 2001, p. 186).

[5] Halley explica que pouco depois te tornar-se rei sobre todo o Israel, Davi fez de Jerusalém a sua capital. Situada numa posição inexpugnável, com vales em três lados, e tendo a tradição de Melquisedeque, o sacerdote do Deus Altíssimo [...], Davi resolveu fazer dela a capital de sua nação. Capturou a cidade, introduziu nela a arca e planejou o Templo [...], que seria construído por Salomão, seu filho (2001, p. 186). 

[6] Mesmo considerado como o monarca ideal, Davi cometeu alguns erros. O maior de todos parece ter sido o envolvimento adúltero com Bate-Seba e a morte provocada do marido dela, Urias (CHAMPLIN, 1995, VOL. V, p. 619). Essa foi a mancha mais hedionda na vida de Davi: adultério mais a instigação ao assassinato com o propósito de encobrir o adultério. [...] Davi colheu exatamente o que semeara, e ainda com sobras – uma colheita prolongada, dura e amarga. Tamar, filha de Davi, foi violentada pelo irmão dela, Amnom, que por sua vez, foi assassinado por Absalão, irmão dos dois. Absalão desencadeou uma rebelião contra seu pai Davi e foi morto na luta. As mulheres de Davi foram violadas em público, assim como ele mesmo, às ocultas, violara a esposa de Urias (HALLEY, 2001, p. 187).

[7] Davi havia estabelecido uma dinastia que durou 400 anos, até a perda da liberdade nacional em 587 a. C. (DOUGLAS, Et All, 2006, p. 1146). Ryrie, corroborando Douglas, afirma que isso não incluía uma promessa de governo ininterrupto, pois, na realidade, o cativeiro babilônico acabou por interrompê-lo.

[8]  Keil & Delitzch dizem: “A promessa conseqüentemente se refere à posteridade de Davi, começando com Salomão e terminando com Cristo”. E concluem: “O próprio Espírito Santo, ao longo da história do Antigo Testamento, encarregou-se de revelar o caráter messiânico dessa promessa, pois diz respeito ao Messias, de modo que o hebreu daquela época esperava o Messias descendente de Davi” (apud, SOARES, 2008, p. 124).

[9] Os versículos desta citação estão inseridos no cap. 7 de 2 Sanuel.

[10] A promessa a Davi de posteridade sobre o seu trono, junto com a referência ao ungido (meshiach, Messias, ou em gr., Christos), é citada por Pedro no sermão no dia de Pentecostes (At 2.30). As promessas da perpetuidade do trono de Davi, encontradas no AT, são cumpridas em Cristo. Essas promessas estão condicionadas à obediência – a obediência pelos descendentes literais de Davi em primeira instância e pela Igreja em segundo plano (CHAPMAN, Et All, vol. 3, p.312, grifos do autor).

[11] Cf. II Sm 6.17,18.

[12] Depois da morte de Davi, Salomão seu filho reinou em seu lugar. A história do reinado de Salomão é registrada em I Reis nos cap. 3 – 11.  A partir de I Reis 12 até II Reis 25, é contada a história dos Reis de Israel e Judá (ALEXANDER, 2008, p. 276).


Artigo extraído de: RODRIGUES, André. O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei. 2011, Editora Nossa Livraria - PE

Um comentário:

  1. A ESTRELA DA FOTO ESTÁ ERRADA.. ESSA ENTRELAÇADA É UMA FARSA QUE MUITOS CAEM, ESSA AI SE CHAMA HEXAGRAMA, USADA PARA INVOCAÇÃO DE DEMÔNIOS, A de Davi é direta, nada de uma por cima da outra..
    Paz, fique com Deus!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).