Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


terça-feira, 15 de dezembro de 2015

CONCÍLIO DE CALCEDÔNIA, EM 451 - COMO FOI? - Por André Rodrigues


Calcedônia – (08/10 a 01/11 de 451) Calcedônia é considerada o quarto concílio ecumênico da Cristandade e produziu uma definição doutrinária – as vezes considerada como um credo – que declarou o dogma oficial da pessoa de Jesus Cristo. Esse dogma é chamado “união hipostática”. 



Este capítulo é a história de como a igreja chegou a lavrar e a declarar esse dogma e como a Definição de Calcedônia o declarou obrigatório para todos os cristãos. No fim desta seção, veremos que, embora a Grande Igreja considerasse a questão encerrada em calcedônia em 451, vários grupos de cristãos se recusaram a aceitar essa solução e continuaram a protestar e argumentar contra ela. A resposta da igreja católica e ortodoxa para esse protesto arrastou-a para as especulações teológicas a respeito da pessoa de Cristo, e embora muitos protestantes possam seguir, e realmente sigam, o pensamento da igreja até Calcedônia e sua doutrina da união hipostática, ali eles se detêm e não consideram obrigatórios os pronunciamentos feitos depois dela. Isto é, quando até mesmo os protestantes conservadores relembram os processos que definiram a verdadeira doutrina nos primeiros séculos do cristianismo, a maioria não se espanta com o que foi chamado de ortodoxo depois de Calcedônia.


O grande Concílio Ecumênico de Calcedônia foi aberto um pouco pomposo cerimonial em 08 de outubro de 451, com a presença de quinhentos bispos, dezoito oficiais de estado do alto escalão, inclusive o casal imperial.

Embora o Concílio de Calcedônia encerrasse a grande controvérsia entre Antioquia e Alexandria a respeito da pessoa de Jesus Cristo, não encerrou definitivamente todos os debates e as controvérsias sobre a doutrina, o concílio e sua fórmula da crença ortodoxa em Cristo causou um longo e paulatino efeito de debates sobre significado exato. Mais uma vez, assim como antes, os imperadores se envolveram e novos concílios foram convocados para definir, de uma vez por todas, uma crença uniforme a respeito da encarnação de Deus em Cristo. A maior parte da controvérsia pós-Calcedônia acontecia no Oriente e a igreja ocidental não tomava conhecimento a não ser quando forçada a tanto pó algum imperador, como acontecia de tempos em tempos. Certo historiador eclesiástico escreveu que “em vez de solução, Calcedônia provou ser mais a definição clássica do problema que exige mais explicações”.


Embora tenha proposto uma doutrina teologicamente correta a respeito de Jesus Cristo, e sua fórmula sobrevivido ao tempo. “do ponto de vista político, o Concílio de Calcedônia foi um fracasso” porque “tão logo os bispos partiram de Calcedônia, os dissidentes começaram a expressar sua indignação”. Alguns alexandrinos (até mesmo fora do Egito) se separaram, negando-se a fingir que apoiavam a Definição de Calcedônia, sendo chamados “monofisistas radicais” (Monofisismo - [Do gr. monos, um + physis, natureza], Doutrina segundo a qual o Senhor Jesus tinha apenas uma natureza: a divina. Sua humanidade seria apenas aparente. A Bíblia, porém, afirma que Jesus é Verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus.), por que recusavam qualquer tipo de acordo com uma igreja que não declararia que Cristo tem “uma só natureza depois da união”.



Eles rejeitaram Eutiques e seu erro de negar que a humanidade de Cristo era consubstancial com a nossa, mas não queriam nenhuma aliança com quem alegasse que Cristo tinha duas naturezas. Certos antioquinos radicais – realmente nestorianos – também se separaram da Grande Igreja porque a Definição de Calcedônia anatematizava qualquer divisão das duas naturezas e soava como o eutiquismo (Ensino elaborado por Êutico (375-454), chefe de convento da Igreja Oriental. Segundo esta doutrina , a natureza de Cristo foi absorvida quando da encarnação do Verbo de Deus. Indiretamente,era a negação tanto da natureza divina, quanto da humana de Jesus. O eutiquismo foi declarado herético pelo Concílio de Calcedônia em 451.) e o monofisismo ao enfatizar a única pessoa de Cristo.


Decisões principais:

Afirmação das duas naturezas na única Pessoa de Cristo, contra o monofisismo de Êutiques de Constantinopla; ‘ Na linha dos santos, ensinamos unanimemente a confessar um só e mesmo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, o mesmo perfeito em divindade e perfeito em humanidade, o mesmo Verdadeiramente Deus e verdadeiramente Homem, composto de uma alma racional e de um corpo, consubstancial ao Pai segundo a divindade, consubstancial as nós segundo a humanidade, “semelhante a nós em tudo com exceção do pecado” (Hb. 4.15); Gerado do Pai antes de todos os séculos, nascido da Virgem Maria, Mãe de Deus, segundo a humanidade. Um só e mesmo Cristo, Senhor, Filho único que devemos reconhecer em duas naturezas, sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação. A diferença das duas naturezas não é de modo algum suprimida pela sua união, mas antes as propriedades de cada uma são salvaguardadas e reunidas em uma só pessoa e uma só hipóstase”. (DS 301-302)
Condenação da simonia, dos casamentos mistos e das ordenações absolutas (realizada sem que o novo clérigo tivesse determinada função pastoral);


BIBLIOGRAFIA: História da Teologia Cristã Roger Olson Ed. Vida

Dicionário Teológico Claudionor Corrêia de Andrade CPAD
Dicionário de Aurélio B. H. F. (edição virtual)

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).